Minha Casa Melhor

Programa fornece benefício para quem comprou imóvel pelo sistema Minha Casa, Minha Vida.

A nova regra do governo vai possibilitar a liberação de uma linha de financiamento para a aquisição de móveis e eletrodomésticos aos beneficiários do Programa Minha Casa, Minha Vida.

Essa linha de financiamento é de R$ 18,7 bilhões para aquisição de móveis e eletrodomésticos aos beneficiários do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida.

“As famílias de qualquer faixa de renda do programa poderão financiar até R$ 5 mil, com taxas de juros de 5% ao ano e prazo de pagamento de até 48 meses”, informou, em nota, o Ministério das Cidades.

Pelo financiamento, chamado de Minha Casa Melhor, os beneficiários do programa habitacional poderão adquirir, com condições especiais, geladeira, fogão, lavadora de roupa automática, computador, TV digital, guarda-roupa, cama de casal e de solteiro, mesa com cadeiras e sofá.

Há um limite de valor para o financiamento de cada produto. Por exemplo, o teto do preço do guarda-roupa é de R$ 380; R$ 375 para o sofá; R$ 1.090 para refrigerador; e R$ 599 para o fogão.

De acordo com o ministro das Cidades, Agnaldo Ribeiro, o crédito ficará disponível por 12 meses. “As taxas serão subsidiadas, bem abaixo do mercado. Ao receber o cartão, o beneficiário terá um crédito disponível por um período de 12 meses, para que faça um planejamento”, disse.

A condição para acessar o crédito é estar em dia com as prestações do Minha Casa, Minha Vida. Caixa e Banco do Brasil serão os agentes financeiros do programa. O ministro também informou que o governo está cadastrando lojas para as vendas dos eletrodomésticos dentro do programa. “Há lojas previamente cadastradas; são três mil lojas em todo o Brasil”, disse.

Ribeiro informou que os recursos para a linha de financiamento sairão do Tesouro Nacional. Questionado se os recursos do programa sairiam do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), ele disse que não. “O funding é o Tesouro”, respondeu, em entrevista coletiva após o lançamento da linha de crédito especial, no Palácio do Planalto. “O programa não compromete o superávit primário”, disse Ribeiro.

Não está claro ainda se o Tesouro irá apenas equalizar os juros subsidiados do programa, de 5% ao ano. O diretor de cartões e seguros da Caixa, Mário Ferreira Neto, não informou quanto o Tesouro Nacional irá gastar para equalizar esses juros.

Questionado sobre o quanto o Tesouro está subsidiando para a taxa de juros de 5% ao ano da linha, ele respondeu que “sobre o número, não vou poder falar agora”. E completou: “O compromisso do Tesouro é compensar toda a demanda”.

Capitalização

A Caixa Econômica Federal (CEF) vai receber uma capitalização de R$ 8 bilhões para dar início à operação dessa nova linha de financiamento, confirmou nesta noite o Tesouro Nacional.

Durante a divulgação do programa, o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, disse que, dos 8 bilhões da capitalização, cerca de 3 bilhões seriam usados pela Caixa para os financiamentos do Minha Casa Melhor. O restante – R$ 5 bilhões – não foi detalhado. Essa diferença dita pelo ministro não foi esclarecida pelo Tesouro.

Em nota, a instituição informa apenas que o custo financeiro do programa Minha Casa Melhor "é dado pela diferença entre a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP, hoje em 5% anuais) e das taxas de juros de mercado”. Não se explicou o impacto desse custo sobre o resultado primário do Tesouro.

Corretor, utilize esta facilidade para incentivar o fechamento da venda do imóvel, para os imóveis do plano Minha casa, Minha vida!  Bons Negócios!

Tiago Albuquerque


Compartilhe esta Dica:

Últimas Dicas

ver todos